Uma das negras de maior representatividade na história da evolução humana, Rainha Sebá, será representada por uma negra africana no Carnaval de São Paulo. Nascida em Guiné Bissau, na África, Benazira Djoco foi nomeada destaque de chão da Escola e Samba paulistana Pérola Negra e recebeu o convite devido a sua função social no Brasil.
Benazira é embaixadora da ONG “África do Coração“, que ampara refugiados africanos imigrantes no Brasil. Sua função é cuidar pessoalmente para que os refugiados tenham condições e suporte para o exercício da cidadania na sociedade brasileira e diminuição do preconceito social/racial deles em nosso país. De acordo com a passagem histórica de rainha Sebá no Planeta, ela foi uma jovem e bem sucedida rainha em uma sociedade onde mulheres e homens tinham praticamente o mesmo direito social na época e, portanto, teve grande sucesso em sua gestão, em um governo apoiado pelo povo retribuindo a eles com um governo de coragem e ascensão.  
 
Não por mera coincidência, Benazira recebe o convite ao destaque em um momento onde a vida vai se unir à arte e à história. “Meu maior desejo é que a Escola volte ao Grupo Especial do Carnaval de São Paulo. Tenho frequentado os ensaios da escola, conhecido a comunidade e dado a minha contribuição a eles como um membro efetivo. Além das ações do desfile ainda tenho participado de ações sociais, como nesta semana, quando ajudei com materiais escolares para crianças da comunidade que não tem condições. Quero continuar a ajudar a comunidade atuante na escola, mesmo depois do desfile”, conta Benzaria.  
 
Falando sobre as mulheres fortes da África, com o enredo: “A Majestosa África tu és negra mulher guerreira, a verdadeira Pérola Negra”, a escola paulistana – que está no Grupo de Acesso do Carnaval de São Paulo e desfila no domingo de Carnaval, apresentando pela primeira vez um tema africano em seu desfile, apostando todas as suas fichas neste enredo para voltar ao Grupo Especial em 2020.