As grandes exposições de rua e galerias foram, durante anos, o principal meio de divulgação que os artistas tinham para exibir o seu trabalho à sociedade, cenário esse que sofreu alterações nos últimos anos pelo crescimento dos usuários nas redes sociais e a sua forte presença no cotidiano das pessoas.

Segundo pesquisa realizada em dezembro de 2019 pela consultoria americana ComScore, os brasileiros gastavam 1 hora e 22 minutos em médias navegando na internet, número que deve ser ainda maior com a pandemia da Covid-19 neste ano.

As redes sociais têm sido a grande aliada dos artistas para divulgarem e comercializarem os seus produtos. A interatividade que promovem, praticidade para adquirir uma obra de arte e os meios para se alcançar o público desejado, as tornam peças-chave no modelo de negócio.

“As redes sociais são uma vitrine sem limites. Você pode alcançar o mundo todo. Essa “janela” me projetou para o mundo, e através das redes eu pude receber o convite para expor no Carrousel Du Louvre, na França, comercializar obras nos Estados Unidos e outros países”, comenta o artista Rafael Rocha.

Rafael Rocha – Foto: Divulgação

Rafael é músico e artista plástico conhecido por seus quadros feitos com acrílico sobre a tela. Inspirado no Cubismo europeu para representar a cultura brasileira, Rafael apostou nas redes sociais desde o começo da carreira para propagar o seu trabalho e gerar novos negócios.

“Logo que comecei (em 2010) fui direto para as redes sociais. Elaborei meu trabalho, criei uma rede social e meu trabalho foi criando visibilidade, tamanho, chegando em muitas pessoas, no Brasil e no exterior. Facebook e o Instagram foram grandes vitrines que me ajudaram a divulgar a minha arte”, complementa Rafael, que atualmente possui mais de 23 mil seguidores em suas redes.