Referência na ginástica olímpica brasileira, Diego Hypolito, irmão de Daniele Hypolito, abriu o jogo ao UOL e declarou ser homossexual.

Diego decidiu revelar sua preferência sexual somente agora, aos 32 anos de idade, já aposentado, porque tinha medo de abrir o jogo durante a carreira atlética e perder patrocinadores e expressão, por conta do preconceito.

Diego ainda dramatiza sua história dizendo que não tinha ninguém para conversar sobre o assunto, que lhe deixava desconfortável, mas que agora viu a chance de se declarar homossexual.

Frequentador assíduo da igreja Bola de Neve, o evangélico descobriu que é gay aos 19 anos de idade, mesmo sob algumas suspeitas de pessoas próximas ligadas a ele: “Fui criado na igreja, tenho uma tatuagem de Jesus crucificado no braço, até hoje frequento cultos da Bola de Neve todas as quintas-feiras. Eu tinha vergonha porque na minha cabeça ser gay era ser um demônio, um ser amaldiçoado que vive em pecado. Quando eu tinha uns dez anos, um treinador foi dizer para a minha mãe que ela devia mudar minha educação para que eu não virasse gay. Ela veio falar comigo, preocupada. Eu era muito inocente, nem sabia o que era isso. Mas isso me marcou “, falou o medalhista ao UOL.

Hypolito hoje é palestrante motivacional e atua na administração do esporte que praticava.

O ginasta não é o primeiro atleta olímpico brasileiro a se declarar gay. Em 2016, a medalhista áurea, Rafaela Silva, do judô, assumiu sua homossexualidade. Ian Matos, dos saltou, tabém se assumiu, assim como, assim como Julia Vasconcelos, do taekondo e Isadora Cerulo, do rugby, que foi pedida em casamento pela sua parceira em pleno campo de jogo.

 

Foto: Reproduçao/Instagram