Mostra retrospectiva, que abrange 37 anos de produção do artista, começa dia 12 de dezembro no Palácio de Artes

O artista plástico Alex Flemming inaugura dia 12 de dezembro a exposição “Alex Flemming de CORpo e Alma” no Palácio de Artes em Belo Horizonte. A mostra tem um caráter retrospectivo, pois abrange 37 anos de produção do artista. Porém esse panorama não será feito em ordem cronológica. As obras serão agrupadas em séries, temas, formas e cores, visto que o artista já citou em entrevistas a “circularidade” em sua obra. Isso significa que após anos o mesmo tema é novamente abordado, porém de forma completamente diferente. Seus temas prediletos são a vida e a sexualidade, a morte e a solidão, os conflitos e a identidade do indivíduo.

“Essa exposição decodifica o trabalho do artista através da cor, do corpo e da linguagem, chegando até a alma desse brasileiro/alemão, um artista instigante que trilha seu caminho de forma independente sem se prender a modismos e tendências” afirma o curador da mostra, o jornalista Henrique Luz.

A exposição abrirá com duas series pontuais dos anos 80: Eros Expectante e A Guerra Incompreensível. Essas duas pequenas séries podem ser vistas como um núcleo poderoso de ideias nos oferecendo uma reflexão e um questionamento de como nos posicionamos no mundo. O artista trabalha o erótico e também a ideia de pertencimento a um grupo, a uma nação, a identidade cultural e política. Da mesma forma a língua e a escrita nos localizam em um mundo de informações cada vez mais complexas. São corpos, mapas e textos. Tradição e ruptura estão na alma deste artista que questiona o mundo contemporâneo.

Outro destaque é a série “Biblioteca”, com quatro vidros inéditos de quase 2m de altura feitos em 2016 com retratos de frequentadores da Biblioteca Mário de Andrade em São Paulo. Em uma técnica inédita Flemming cria fotografias que vibram com cor conforme as pessoas andam ao seu redor.

Em “Alex Flemming – Retroperspectiva” realizada em 2016 no MAC-USP em São Paulo contou com uma visitação de 52.000 pessoas e foi uma das mais frequentadas do museu nos últimos anos. Para uma audiência em Belo Horizonte optou-se por uma mostra mais abrangente, a fim de apresentar vários aspectos da produção de Flemming. A exposição na grande galeria do Palácio das Artes terá 150 obras, algumas vindas especialmente de Berlin.

Flemming é um artista multimídia que transita pela pintura, gravura, instalação, desenho, colagem esculturas e objetos, com foco na “pintura sobre superfícies não tradicionais” como o próprio artista define. O artista é representado, em São Paulo, pela Emmathomas Galeria.

 

 

Alex Flemming de Corpo e Alma

Abertura: 12/12/2017 – 19h

Período da Exposição: 13/12/2017 à 25/02/2018

De terça-feira a sábado, das 9h30 às 21h; domingo, das 16h às 21h

Local – Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard –

Palácio de Artes em Belo Horizonte – Av. Afonso Pena, 1537 – Centro, Belo Horizonte

Informações: 31 3236-7400

Curadoria: Henrique Luz

 

 

Sobre Alex Flemming

Alex Flemming é um artista Paulistano que mora há quase 30 anos em Berlin. Filho de um piloto e de uma aeromoça se considera um artista nômade, porém sem nunca abandonar suas raízes paulistanas e brasileiras. Alex Flemming já morou quando criança em Miami, em Lisboa quando adolescente, estudou em Nova Iorque quando jovem e morou em Berlin Oriental antes da queda do muro, presenciando a guerra fria no seu cerne.

Flemming afirmou que “nada é tabu, nem mesmo a tradição”. Essa afirmação realizada ainda nos anos 80 nos faz compreender a ousadia e a coragem do artista de se apropriar de elementos como múmias, estatuária grega, ou mesmo a santinhos da cultura popular brasileira, além de imagens barrocas de Cristo fotografadas em igrejas, seja em Belém do Pará ou em Lisboa. Uma poltrona velha encontrada na rua ou um animal empalhado há mais de 100 anos e sendo descartado por um museu, seus próprios dentes encontram em Flemming um abrigo e uma nova vida. Essa nova vida que é dada ao “objet trouvé” ou “objeto encontrado” pelo artista é uma vida dentro do campo da estética. Alex Flemming pinta, acopla outros objetos, recorta, cola, escrever poemas, na superfície, e modifica esse objeto até que fique satisfeito com o resultado.

Sobre Emmathomas Galeria

A Emmathomas Galeria há 11 anos aposta em uma gestão de fomento e incentivo à arte. Em agosto de 2017 o empresário e artista plástico Marcos Amaro assumiu a gestão da galeria, e propõe ao mercado a experimentação de novos formatos de consumo de arte. Com inovação tecnológica, a galeria proporciona um atendimento personalizado: EMMA EXPERIENCE – para que seus clientes possam usufruir de uma experiência inédita com realidade aumentada. Com formações e produções distintas e consistentes, a galeria traz uma variedade em seu corpo de artistas: Alex Flemming, Alan Fontes, Armando Prado, Carl Emanuel Wolff, Carlos Mélo, Francisco Klinger Carvalho, Gilberto Salvador, Hugo Curti, Isabelle Borges, Jens Hausmann, Katia Salvany, Kimi Nii, Sani Guerra e Marcia Grostein.

 

Fonte Alex Flemming